Enzo Bergamo, meu amigo e entrevistado da semana é também advogado, se formou em 2010 na Faculdade de Direito de Itu, aonde também se pós graduou em 2014.

 

Nicole Lange de Almeida Pires, atualmente com vinte e sete anos, funcionária pública, concluiu o curso de Direito pela FADITU – Faculdade de Direito de Itu em dezembro de 2013, sendo aprovada no Exame da Ordem dos Advogados do Brasil em junho do mesmo ano com aprovação 9.9, considerada a mais alta naquele ano. Se tornou escrevente do Poder Judiciário em novembro de 2013, ingressando como assistente de sala de Juiz em maio de 2014. Pós-graduada em Direito Processual Civil pela FADITU – Faculdade de Direito de Itu em junho de 2015 e também pós-graduada em Direito Processual Civil pela Escola Paulista da Magistratura em novembro de 2017.  Não poderia deixar de mencionar o orgulho que tenho de nossa entrevistada, uma vez que a mesma além de uma excelente profissional e batalhadora, é minha irmã.

Entrevista Caio Duarte

16 Nov 2019
Publicado em Entrevistas

 

Caio Duarte, advogado, hoje com 27 anos de idade, professor pré-concurso público, reside em Rio das Ostras/RJ, especializado em Direito Constitucional, presidente da Comissão de Direito Constitucional e vice-presidente da Comissão da Jovem Advocacia da OAB de Rio das Ostras, nasceu em Itaboraí/RJ e direto de Rio das Ostras, aonde reside desde os treze anos de idade, gentilmente nos concedeu essa entrevista.

Perguntas sem Respostas.

13 Ago 2015
Publicado em Artigos

 

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza...

 

Por incrível que possa parecer, a frase acima está na nossa Constituição Federal, a Carta Magna que rege os princípios e normas fundamentais brasileiras, a base de tudo.

Agora eu pergunto, todos são realmente iguais perante a lei, sem distinções?

Resolução 632 Anatel

06 Set 2015
Publicado em Artigos

 

 

Trata-se de um regulamento geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações, aprovado em fevereiro de 2014.

O Regulamento tem por objetivo estabelecer regras sobre atendimento, cobrança e oferta de serviços relativos aos serviços de telefônicos fixo, celulares, internet e televisão por assinatura.

Este regulamento ainda define o que vem a ser consumidor, contrato de permanência, grupo de empresas, microrregião, oferta, plano de serviço, prestadora e prestadora de pequeno porte.

Estabelece os direitos e deveres dos consumidores, como acesso e fruição de serviços dentro do padrão de qualidade e regularidade, prévio conhecimento e à informação adequada sobre as condições de contratação, prestação, meios de contato e suporte, além de forma de pagamento dentre outros. Estabelece ainda inviolabilidade e segredo da comunicação e a não suspensão do serviço sem sua solicitação. Privacidade nos documentos de cobrança e utilização dos dados pessoais do consumidor.

O consumidor ainda poderá rescindir o seu contrato a qualquer tempo e sem ônus, sem prejuízo das condições aplicáveis às contratações com prazo de permanência, assim como deverá receber sem quaisquer custos o contrato de prestação de serviços e transferir a sua titularidade mediante o cumprimento pelo novo titular, dos requisitos necessários para a contratação inicial do serviço.

É muito triste quando uma nação ao invés de andar para frente e cuidar, realmente de assuntos mais importantes, como por exemplo, a cracolândia em São Paulo, os leitos de hospitais públicos, escolas caindo aos pedaços e tantos outros assuntos de suma importância que aparecem na televisão todos os dias, perdem seu tempo em querer definir algo que já está definido há muito. 

Família é amor, e aonde existir amor, não importa a forma desta, será uma família e ninguém mudará isso além de Deus.

Em Defesa a todos os tipos de família.

Spotify Vida de Advogado

13 Out 2015
Publicado em Artigos

Sim, nós temos uma playlist lá também. Procure e curta. 
 

https://open.spotify.com/user/224lpueq4aeu2dhwvezbnzxui/playlist/0y4vz4AQWY25CoZj6V2AS8

  

                   Vivemos em um País tropical, todos sabemos quando entramos na faculdade que teremos de usar terno e gravata e que existe todo um formalismo no mundo jurídico, isso no mundo inteiro, agora, não adianta reclamar do calor.

 
                  Para amenizar isso, alguns Tribunais, permitem a dispensa da gravata apenas, sim, apenas da gravata, pois permanece a calça social e a camisa. Ora, qual a diferença? Sinceramente eu não vejo nenhuma, até porque nas audiências, a gravata e o paletó permanecem. Outrossim, ninguém nunca proibiu um advogado de entrar de calça jeans e camiseta no Fórum para consultar um processo no balcão, então, sinceramente, esses Provimentos que liberam o uso da gravata são uma perda de tempo.
 
                 Ademais, as mulheres devem usar trajes adequados e compatíveis com o decoro judicial, agora me diz, o que é compatível para uma pode não ser para outra, então também, ficamos na mesma.
 
                Deve-se sim ter em mente que o Direito exige um formalismo e que se você não concorda com ele, deveria ter escolhido outra faculdade. Concorda?
 
 
 

Patrocinadores