Entrevista com Nicole Lange

31 Jan 2018
Publicado em Entrevistas

 

Nicole Lange de Almeida Pires, atualmente com vinte e sete anos, funcionária pública, concluiu o curso de Direito pela FADITU – Faculdade de Direito de Itu em dezembro de 2013, sendo aprovada no Exame da Ordem dos Advogados do Brasil em junho do mesmo ano com aprovação 9.9, considerada a mais alta naquele ano. Se tornou escrevente do Poder Judiciário em novembro de 2013, ingressando como assistente de sala de Juiz em maio de 2014. Pós-graduada em Direito Processual Civil pela FADITU – Faculdade de Direito de Itu em junho de 2015 e também pós-graduada em Direito Processual Civil pela Escola Paulista da Magistratura em novembro de 2017.  Não poderia deixar de mencionar o orgulho que tenho de nossa entrevistada, uma vez que a mesma além de uma excelente profissional e batalhadora, é minha irmã.

 Porém, nem tudo são flores, Nicole, sempre foi uma aluna esforçada, fez escola da família durante a faculdade e sempre estudou nos seus tempos livres para alcançar seus méritos. Escolheu Direito por considerar uma carreira bonita que que possui uma variedade bem grande de opções de trabalho e em diversas áreas. “Também sempre gostei muito de ler e escrever, então achei que poderia me identificar com o Direito. Na realidade, até o terceiro ano da faculdade ainda tinha dúvidas, mas me encontrei ao conhecer de perto a carreira do Juiz de Direito e tive certeza de ter escolhido o curso certo”.

Indaguei nossa entrevistada sobre os motivos que a levaram a escolher o cargo de escrevente, sendo que para ela, considera a carreira de advocacia muito difícil no início, e que a mesma não lhe trazia a estabilidade financeira que buscava, além disso, já tinha feito estágio em escritórios e não tinha se identificado com a profissão. Depois desses estágios em escritórios de advocacia, Nicole foi estagiária de um Juiz no Fórum e então, “me apaixonei pelo Direito”. “Desde então decidi que queria seguir essa área, e o concurso de escrevente me permitiu trabalhar como assistente do Juiz com o qual fiz estágio”.

 

Nicole começou a estagiar com Juiz desde o terceiro ano da faculdade e considera que foi difícil no começo porque o trabalho envolvia matérias que ela ainda não havia estudado em seu curso, mas foi também muito gratificante pois pode aprender muitas coisas na prática e conhecer melhor o Direito.

 

Perguntei para ela se considera como meritocracia, competência ou um privilégio o fato de ter sido aprovada como escrevente e após ter se tornado assistente pessoal do Juiz?  Segundo nossa querida entrevistada, “eu comecei a estagiar com o Juiz com o qual eu trabalho no ano de 2011, como voluntária. Na época, meu único interesse era conhecer o Direito além dos escritórios de advocacia como eu estava acostumada a ver e aprender com a experiência. De voluntária, passei a ser estagiária remunerada em 2013, quando surgiu uma vaga. No mesmo ano, estudei e fui aprovada no concurso de escrevente do TJSP em uma boa posição, que me permitiu escolher a minha cidade como lotação de trabalho. A partir do momento em que tomei posse como escrevente, o Juiz que havia sido meu chefe no estágio me convidou para ser assistente dele, função que iniciei em maio de 2014 e exerço até a presente data. A função de assistente envolve minutar decisões e sentenças, então ter sido estagiária no fórum me permitiu adquirir o conhecimento necessário para o cargo. Acredito então que o convite tem relação com mérito, diante da minha busca por aprendizado desde cedo. Também não deixa de ser um privilégio, no sentido positivo da palavra, de oportunidade de crescimento e conhecimento diários”.

 

Como sempre estamos acostumados com o dia a dia de advogados, indaguei quanto à rotina de uma escrevente, sendo então explicitado que os escreventes exercem funções variadas nos ofícios judiciais relacionadas com o andamento dos processos, como juntada de petições e publicações, elaboração de mandados e ofícios, atendimento aos advogados e partes e elaboração de despachos. Já Nicole, não exerce a função de escrevente, mas de assistente, sendo que o assistente atua diretamente no gabinete do Juiz, auxiliando na elaboração das decisões e sentenças, inclusive com pesquisa jurisprudencial e doutrinária. Alguns assistentes também participam das audiências, redigindo os termos e realizando a gravação, complementa.

 

Quanto à dificuldade de lidar com um Juiz e se é mais difícil lidar com os advogados, Nicole considera que isso depende muito do Juiz e do advogado. Para ela, “não tem relação com o cargo em si, mas sim com a forma de tratamento das pessoas”. “Tenho um bom relacionamento com todos os Juízes que conheço, assim como com todos os advogados”.

 

Como nós, a maioria dos advogados reclama muito de funcionários públicos, principalmente do atendimento no Cartório e no Fórum, indaguei então, como é o outro lado, a visão dela como funcionária pública? “Isso depende muito de empatia. Os advogados geralmente não têm consciência do volume de trabalho dos cartórios e fóruns, que muitas vezes impede uma prestação de serviço célere como seria ideal. Esse volume é gerado pela cultura da litigiosidade que existe no País em geral. Eu vejo muitos processos que nos fazem perder um tempo enorme no fórum, e que foram ajuizados de forma totalmente inconsequente, quando poderiam ter sido resolvidos de forma amigável com acordos. Da mesma maneira, os funcionários devem ter consciência da atuação dos advogados, das urgências trazidas, da necessidade de um atendimento rápido em determinados casos. Essa é minha visão do outro lado”.

 

Nossa entrevistada tem interesse em seguir a carreira da Magistratura, sendo que já prestou além deste Concurso, o concurso do Ministério Público e atualmente está estudando para, além da Magistratura, para o de Procuradorias Estaduais.

 

Sobre a rotina de estudos, Nicole estuda desde 2015, estuda todos os dias da semana no período da manhã, e sempre que possível também no período da noite. Estuda inclusive aos finais de semana, quando de alguma forma não teve como estudar o que deveria durante a semana. “É difícil trabalhar e estudar ao mesmo tempo, mas com planejamento e organização é possível otimizar o tempo para aproveitar o máximo possível”.

 

Sobre a leitura de livros, atualmente não tem muito tempo para leituras que não sejam da área de concursos, mas o último livro que leu e que considera ter lhe agregado muito foi “O Paraíso de Cada Um”, do Juiz Hamilton Malheiros, que conta a trajetória de um Juiz que se envolve emocionalmente com os dramas e casos que julga. Ela nos explica que a história é maravilhosa e carrega uma mensagem de reflexão incrível sobre a Justiça. “Acho que todos os alunos do curso de Direito deveriam ler. Recomendo muito”.

 

Pedi para Nicole, para dar uma dica para aquelas pessoas que trabalham o dia todo e querem muito seguir uma carreira pública, porém, não possuem muito tempo para estudar, pois tem casa para cuidar, filhos, marido, por exemplo. “Meu conselho seria planejamento, organização e persistência. Mais vale uma hora bem estudada, do que três de estudo sem compromisso e com distrações. Não pense que ter menos tempo te impede de ser um bom concorrente nos concursos. Com uma boa divisão do tempo de estudo das matérias é possível atingir um bom rendimento. Às vezes quem tem mais tempo disponível acaba estudando menos do que quem não tem”.

 

Como sempre, encerro a entrevista com o pedido de uma frase ou mensagem para o público do Vida de Advogado, Nicole nos deixa gentilmente, além da sua brilhante educação e força de vontade, assim como eu agradeço aqui ter tomado seu tempo com a presente entrevista, a seguinte mensagem:

“Minha mensagem é de agradecimento aos que leram a entrevista até aqui! Estou disponível caso queiram conhecer melhor a carreira ou o concurso de Escrevente do TJSP ou tenham interesse em compartilhar ou receber dicas de estudo. Obrigada!” Contato: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

Por Rogério Gimenez

 

 

Vida de Advogado
Site
Blog
Página no Facebook
Instagram
Twitter
Canal no Youtube

 

 

 

 

 

Patrocinadores